PUBLICIDADE
CAMPANHA: “DOE SANGUE REGULARMENTE. VOCÊ DOA, A VIDA AGRADECE”.
17/06/2022 08:12 em ACONTECE:

A pandemia de coronavírus impactou o sistema de saúde não só de forma direta, mas também de forma indireta. E um dos reflexos da crise sanitária que já dura mais de dois anos é a queda na quantidade de sangue doado. Segundo informações divulgadas pelo Ministério da Saúde, em 2019, ano pré-pandemia, foram realizadas 3.271.824 coletas de sangue no país. Em 2020, o número caiu para 2.958.665 e, em 2021, subiu para 3.035.533 bolsas de sangue coletadas. A pasta diz que, apesar da diminuição, não houve registro de desabastecimento nos hemocentros do país, mas os estoques precisam ser sempre reabastecidos. Para aumentar os estoques disponíveis, a pasta federal está realizando uma campanha com o mote  “Doe sangue regularmente. Você doa, a vida agradece”. Nos três primeiros meses de deste ano, foram coletadas aproximadamente 732 mil bolsas de sangue. A recomendação da Organização Mundial da Saúde é que a taxa de doadores de sangue na população seja de 1% a 3%. A taxa de doação no Brasil foi de 1,4%, em 2021. O sangue estocado nos hemocentros é fundamental para o tratamento de doenças como anemias crônicas e certos tipos de câncer, entre outras, e é também essencial para salvar vidas em diversos atendimentos de urgência, especialmente àqueles relacionados a pacientes que se envolvem em acidentes e apresentam hemorragia. Lembrando que podem ser doadoras de sangue pessoas entre 16 e 69 anos de idade - desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos, em bom estado geral de saúde e com mais de 50 quilos.

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE